Translate

Receba por e-mail nossas publicações

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Diferença entre tristeza e depressão


Diferença Entre Tristeza Normal e Depressão

Qual a diferença entre tristeza e depressão? Como saber se o que a pessoa tem é tristeza normal somente ou se é depressão? O tratamento é diferente?

A perda de um ente querido por morte, reprovação em um concurso muito esperado, rompimento de um relacionamento afetivo, demissão de um emprego, são experiências que deixam a pessoa triste, uma tristeza normal, que pode durar poucos dias ou semanas (dependendo do vínculo que a pessoa tinha com a outra, do tipo de personalidade dela, do significado emocional da perda, etc.), sem precisar remédio ou tratamento.

Se a pessoa demora a recuperar-se da tristeza, se sua produtividade cai muito, se começa a pensar só negativo, vindo frequentemente à cabeça idéias de morte, se perde a energia para trabalhar, se fica desinteressada por coisas que davam prazer, então ela precisa de um profissional para atendimento psicoterápico e avaliação da necessidade ou não de antidepressivo, devendo ser inicialmente um médico psiquiatra. Ele mesmo pode fazer o acompanhamento psicoterápico e medicamentoso, ou pode assumir somente o tratamento farmacológico e encaminhar a pessoa para uma terapia com um psicólogo clínico.

Se há na família desta pessoa caso(s) de suicídio e depressão, e se ela tem idéias suicidas, se já tentou suicidio no passado, ela precisa de atendimento urgente com profissional psiquiatra.

O tratamento da pessoa com tristeza temporária não envolve um profissional ou medicamentos, apenas, apoio, empatia, “dar um colo”, ouvi-la, confortá-la, e o tempo resolve. Se a pessoa está desenvolvendo um quadro depressivo (a tristeza não passa mesmo após vários meses do evento doloroso e ela cai em desânimo forte, tende a isolar dos outros, além dos sintomas acima), precisará da ajuda profissional para aprender a lidar com a dor de maneira construtiva, administrar os pensamentos para que eles não fiquem envenenando sua mente e se afundando mais ainda por nutrir idéias ruins, negativos, de desesperança.

O profissional procurará entender que tipo de personalidade é esta pessoa, o quanto ela está afetada pelas perdas sofridas, se teve depressão no passado, se é uma pessoa ativa ou passiva, se cultiva normalmente pensamentos positivos ou negativos, ou se sempre foi alguém melancólico que demora em meditações tristes, etc. Dependendo deste perfil, a pessoa poderá precisar de medicamentos antidepressivos por uns poucos meses além do apoio psicoterápico. A internação hospitalar só justifica se a pessoa estiver tão deprimida que não se alimenta, não sai da cama, não quer tomar banho, e tem idéias suicidas sérias no sentido de estar pensando acabar com a sua vida. Mas se ele consegue trabalhar, não pensa em suicídio, embora esteja triste e mais lento do que o normal, pode ser que baste o apoio psicoterápico sem precisar de medicação.

Existe a depressão leve, moderada e grave. A leve pode ser tratada em muitos casos só com terapia psicológica. A moderada e a grave necessitam de algum apoio medicamentoso por um tempo, talvez 3 meses, ou 6 meses, dependendo de várias coisas. A depressão grave pode ocorrer com uma perturbação grave da percepção da realidade, ou seja, além de deprimir a pessoa pode apresentar também sintomas psicóticos, como alucinação, delírios, desorientação no tempo, no espaço e quanto a si mesma, e requer medicamentos específicos contra os sintomas psicóticos, além do antidepressivo.

O Hipérico (Hypericum perforatum) é um fitoterápico (planta medicinal) que produz bons resultados em pessoas com depressão leve, melhor naquelas que nunca usaram medicamentos psiquiátricos. É também conhecido como Erva de São João, mas cuidado porque há Erva de São João que não é o hipérico. A dose usual para pessoas com depressão leve é uma cápsula de 300mg 3 vezes ao dia, podendo aumentar para 4 ao dia após 3 semanas se não melhorar.

Entretanto, é importante lembrar que qualquer medicamentos antidepressivo não muda a forma da pessoa pensar e nem produz automaticamente a resolução construtiva da dor pelas perdas afetivas, o que envolverá extravasamento da dor, apoio, compreensão, chorar, sentir a dor, parar com os pensamentos destrutivos e desenvolver esperança. E também lembre-se de que os mesmos medicamentos produzem resultados diferentes para pessoas diferentes.

Escrito por Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

http://www.novotempo.org.br/advir/?p=3304&utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+Advir+(Advir)&utm_content=Yahoo!+Mail


Nenhum comentário:

Postar um comentário